Fiji: o paraíso na Terra

Por Zeca Moreira

fiji editada

Você já ouviu falar em Fiji? Se não ouviu separe um tempo para descobrir um pouco mais sobre esse pedaço de paraíso na terra. O arquipélago formado por mais de 200 ilhas no meio do Oceano Pacífico, entre a Austrália e o Havaí, possui águas cristalinas, mornas, corais de diversas cores, peixes (incluso aí muitos tubarões) e clima quente o ano todo. Não à toa que seu cenário natural serviu como set de filmagens para o clássico da Sessão da Tarde, A Lagoa Azul, e do filme Náufrago.

E não foram apenas as estrelas de Hollywood que se encantaram por Fiji. As qualidades do País foram essenciais para que esses dois meros mortais (eu e Mônica) escolhessem as ilhas como destino. O que significa que se você se programar, talvez possa visitar o arquipélago nas próximas férias.

Assim que compramos as passagens começamos a pesquisar sobre os melhores locais e atrações da ilhas. Ficamos surpresos com a falta de informações e com a quantidade de dicas furadas que achamos na internet. E não era só na rede mundial de computadores que encontramos conselhos ruins. Nas agências de viagem que procuramos era  a mesma coisa. Pensando nisso, vamos detalhar aqui e em outros textos nossa Fiji Experience para que você não cometa erros (como se hospedar em Nadi achando que aquilo é Fiji) e aproveite ao máximo suas férias no paraíso. Esperamos que aproveitem.

IMG_3470

A viagem – Optamos por ir dia 01 de janeiro logo cedo, na ressaca do Revéillon. Isso fez com que o preço da passagem fosse bem baixo para a temporada de final de ano. Como estávamos com bastante dúvidas relacionadas às ilhas que deveríamos visitar, optamos por comprar um pacote na Awesome Adventures (ÚNICA empresa que faz esse tipo de serviço por lá, acreditem) de 12 dias (11 noites) passando por seis ilhas diferentes, incluindo as mais próximas como Bounty e Beachcomber e as mais afastadas (e com reputação, justa por sinal, de serem as mais belas) como Wayalailai, Korovou, Nabua Lodge e Mantaray. Trata-se do pacote mais longo que eles vendem, portanto você terá tempo de sobra para conhecer os melhores locais de Fiji e fazer as atividades imperdíveis como mergulhar com tubarões, nadar na caverna do filme A Lagoa Azul, conhecer a ilha do Naúfrago, passar o dia a bordo de um enorme veleiro com bebida e comida inclusas, trilhas guiadas pelas montanhas, andar de caiaque entre uma ilha e outra, fazer snorkeling nos corais e diversas outras atividades.

Importante – Os nomes que colocamos das ilhas na verdade são os nomes dos resorts que ficamos. Essa é a melhor forma de você efetivar sua busca nos sites de hospedagem e é como muitas vezes eles as chamam.

Clique nas páginas a seguir para saber o que fazer em cada uma das ilhas que passamos e no link com dicas gerais sobre Fiji.

Bounty (A ilha do Tsunami)

Wayalailai e Korovou (As ilhas dos Tubarões)

Nabua Lodge (ou ilha da Lagoa Azul)

Mantaray e Beachcomber (Para casais ou solteiros)

Fiji: As férias das férias 

Dicas gerais de Fiji

Bounty (A ilha do Tsunami)

FullSizeRender novo

Nossa primeira parada foi a belíssima ilha de Bounty. Apenas 30 minutos da capital, Nadi, o local possui águas cristalinas e apresenta um azul impressionante. O resort é um dos mais confortáveis da região e conta com eletricidade 24 horas (algo que você não encontra nas ilhas mais afastadas). A comida é farta nas três vezes em que é servida (café da manhã, almoço e jantar), revezando-se em buffet e algumas vezes A La carte. Além disso, foi o único hotel onde encontramos ar-condicionado (peça importante quando estamos falando de temperaturas superiores a 30 graus todos os dias). O bar possui três happy hours por dia, quando as bebidas são vendidas com até 50% de desconto. Jogos como ping-pong e “arremesso de corda ao alvo” ajudam a te entreter quando você estiver saturado da piscina ou de fazer snorkeling com peixes.

De tão pequena, basta 30 minutos andando ou 40 remando a bordo de um caiaque para dar a volta nela. Aliás, esse tamanho demasiadamente reduzido me chamou a atenção quando chegamos na ilha:

– Nossa, se rolar um tsunami aqui não sobra nada. Não temos para onde correr.

Disse enquanto admirava a ilhota ainda do barco que realiza o transporte dos passageiros até os hotéis.

FullSizeRender 33

Tsunami – Hiperativo que sou, peguei meu snorkeling assim que desembarcamos e fui ver de perto o que tinha naquela água. Enquanto mergulhava ladeado por peixes de todas as cores a Mônica aproveitava a piscina. Estava tão animado que após 30 minutos sai do mar para contar minha experiência para ela. Estávamos no bar, a menos de 5 metros do oceano, quando resolvi abrir meu Whatsapp para mandar algumas fotos para minha família e amigos quando me deparei com uma notícia seguida da seguinte mensagem.

– Bom dia povo! Alguém tem conseguido falar com o Zeca? Acho que ele já deve estar sabendo dessa parada… – Perguntou um amigo num grupo que faço parte na Austrália.

– Dá um salve ai. Pediu outro.

Anexada às mensagem vinha uma notícia sobre um terremoto de 7.2 na escala Richter no meio do mar a míseros 300 kilômetros de onde estávamos. Minha espinha congelou na mesma hora. O abalo sísmico havia ocorrido há menos de 30 minutos. Um ano antes, quando fomos para Indonésia, me informei bastante sobre tsunamis pois o País foi um dos mais afetados pelas ondas gigantes que atingiram vários locais em 2004. Naquela ocasião, a Tailândia, por exemplo, estava a mais de mil quilômetros do epicentro do terremoto de 9.2 da escala Richter e foi completamente devastada.

Com essas informações eu tinha plena consciência que o alerta de tsunami emitido pelo Centro do Pacífico de controle a ondas gigantes era real. Real demais. Sabia que aquela ilhota não suportaria uma onda gigante que podia chegar a qualquer momento.  O ponto mais alto da ilha não era superior a 5 metros acima do nível do mar. Chamei um funcionário e perguntei se ele estava sabendo de algo. Mostrei a notícia. Ele já sabia e nada havia comunicado.

Passados alguns minutos os demais hóspedes da ilha foram informados e fomos encaminhados ao ponto mais “alto”. Uma casa de palafitas, construída com madeirites e alguma alvenaria. Nesse momento percebi o semblante sisudo e preocupado do restante dos moradores da ilha. O mar mudou completamente. De calmo e cristalino passou a turvo e agitado. O último alerta de tsunami havia sido em 2011, quando ondas gigantes varreram várias cidades japonesas. Enquanto esperávamos novas notícias escolhi uma árvore de tronco forte e de fácil escalada para correr com a Mônica se algo pior acontecesse. Depois de uma hora e trinta minutos de muita tensão naquele “abrigo”, enfim, recebemos a notícia que o risco já havia passado. Quem havia chorado de nervosismo enxugou as lágrimas e voltou para a piscina. Quem fez vídeo de despedida (vimos isso) ficou um uma cômica memória salva no celular.

Terminamos nosso primeiro dia de trip dançando com os Fijianos e bebendo. Mais tarde, já anestesiados pelo álcool, fizemos amizade com uma italiana que sobreviveu ao tsunami de 2004, quando ela teve de ser resgatada por um helicóptero do telhado de um hotel nas ilhas Maldivas. Voltamos para o quarto chocados com o pé frio da moça e torcendo para que ela não nos acompanhasse pelo restante da viagem. Para nossa sorte, ela não foi.

Náufrago – Quando fechamos nosso pacote optamos por pagar pagar AU$ 500 a mais cada um para termos acesso a atividades nas ilhas, o que incluía um passeio num veleiro no nosso segundo dia de viagem pelas ilhas. A rota, que oferecia bebida liberada e churrasco a bordo, tinha como destino a ilha onde foi filmado o famoso filme do Tom Hanks, O Náufrago, e uma outra ilha onde visitamos um vilarejo fijiano e pudemos comprar artesanatos dos locais. Um dos passeios mais divertidos e cansativos que fizemos sem sombra de dúvidas.

Voltamos para Bounty e dormimos como pedra, afinal, dia seguinte tinha nosso segundo destino: Wayalailai.

FullSizeRender 29

Nota – 9,5. Bounty tem TUDO. Hotel justo, excelente quarto, ar-condicionado, comida farta, atividades para você não ficar parado, peixes, corais, enfim, tudo que você precisa numa viagem. Porém a proximidade da ilha principal, Nadi, a torna rota das famosas Day Trips (passeios de um dia que levam turistas para os arquipélagos mais próximos). Isso incomoda um pouco, pois tira um pouco da paz local. Mas nada que estrague a sua viagem, até mesmo porque esses visitantes costumam retornar antes das 16h.

Fiji: As férias das férias

IMG_6269

Ao final da nossa Fiji Experience, na qual passamos 12 dias viajando por seis ilhas do arquipélago, resolvemos descansar naquela que mais nos agradou e que seria mais prática para retornarmos a Nadi antes de embarcarmos de volta à Sydney (AUS). Saímos de Beachcomber chateados e frustrados com a ilha, mas estávamos alegres, pois estávamos a caminho daquela que mais gostamos: Bounty.

Quando descemos no barco que nos levaria até à ilha o funcionário local nos reconheceu e assustado disse:

– Braseeeeeellllllll…..are you back? – Disse espantado.

– Sim, estamos voltando….

A reação foi a mesma quando desembarcamos na ilha. Todo staff nos reconheceu (foi nossa primeira parada, aquela do tsunami. Havíamos pisado por lá 12 dias antes) e estranhou o retorno. Pelo visto não é comum. Explicamos nossa ideia de descansar das nossas férias na ilha que mais gostamos. Ficaram tão felizes que nos deram um upgrade no quarto. O fato de ser baixa temporada também colaborou para isso, obviamente. De diferente, o novo quarto só tinha o acabamento, mais luxuoso. Mas o mais importante de tudo era igual: a vista para o mar.

Nesses quatro últimos dias por lá aproveitamos para fazer o que não fizemos na nossa primeira “temporada”. Remamos de caiaque e caminhamos ao redor da ilha, fizemos stand up paddle e participamos do projeto de preservação de tartarugas marinhas que as devolve para o mar em tamanho maior, o que aumenta a possibilidade de sobrevivência. Também tivemos a oportunidade única de presenciar uma minúscula tartaruguinha desesperada, sozinha, correndo para o mar. Tinha acabado de sair do ovo. A salvamos junto com outras três que estavam perdidas perto do nosso quarto e o staff as “inscreveu” no projeto. Além disso, vimos cobra, descansamos (afinal, a cada dois dias nós tínhamos que empacotar nossa bagagem em cada nova ilha), fizemos artesanato com folhas de coqueiro e nos sentimos literalmente em casa.

Mergulhamos mais, vi meu último tubarão. Me borrei de medo novamente. Jogamos ping pong e um jogo de arremesso de corda uma centena de vezes cada. Tiramos fotos, vimos o lindo pôr-do-sol de lá, tomamos drinks coloridos, participamos de jogos com os nativos e fomos embora arrasados (e a Mônica chorando aos prantos literalmente) por estarmos deixando para trás um povo e um local maravilhoso com apenas uma certeza: a de que nos veremos de novo.

FullSizeRender 55

Bula e Vinaka, Bounty Island!