Por que escolher a Austrália?

uptoyoubrasil bandeira australia

Por Zeca Moreira

Não fui eu que escolhi a Austrália, foi a Austrália que me escolheu. Essa é a minha resposta quando perguntam o que me trouxe a Sydney. Calma lá que eu explico. Decidi voltar a morar fora depois dos 30 anos, mais precisamente 33, e isso reduziu minhas possibilidades de escolha. Muitos países restringem os vistos para pessoas com mais de 30 anos (mesmo que você esteja apenas interessado em aprender inglês) ou impõem condições que praticamente impossibilitam a viagem.

Como a maioria dos brasileiros, minha primeira opção foi os Estados Unidos. A proximidade do Brasil e o preço eram os maiores atrativos. Entretanto, o excesso de restrições, principalmente no que se refere a trabalhar e estudar inglês ao mesmo tempo fizeram eu mudar de opção. Em seguida me informei sobre a Inglaterra, Irlanda, Nova Zelândia e, enfim, Austrália.

Considerada uma das últimas opções, a Austrália se mostrou um país totalmente atraente após eu superar a preconceituosa, mas não indevida, barreira da distância. O País possui um clima similar ao do Brasil, é o segundo melhor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) no mundo, tem uma economia firme – foi um dos poucos países desenvolvidos que passaram pela crise de 2009 sem grandes turbulências, desemprego inferior a 5%, e o melhor, permite que estudantes internacionais trabalhem durante sua estadia no País.

A soma dos primeiros fatores mais as duas últimas foram determinantes para essa escolha. Como já disse anteriormente, estudar inglês por seis meses no exterior sem ter que trabalhar para pagar as contas era inviável para mim. Também pesou o fato do verão australiano ser um dos melhores do mundo. Para se ter uma ideia a Austrália está para os europeus tal como as praias do Nordeste estão para os brasileiros. Eles chegam aos milhares a partir de setembro e vão embora apenas em março, com o início do inverno. O motivo? Belíssimas praias e facilidades para que eles trabalhem durante esse período.

Outro ponto determinante na escolha foi o fato de ter dois amigos morando por aqui. Sempre sugiro aos que me perguntam: se você estiver dividido entre dois países e em um deles tiver um amigo de confiança, escolha aquele aonde tem alguém conhecido. Chegar a um local novo e com um idioma diferente já é um fator por si só complicado. Um amigo para ensinar atalhos, facilitará sua vida e o mais importante, vai te ajudar a economizar dinheiro (vocês se lembram do sofá que eu dormia e do colchão inflável, né?).

Para facilitar um pouco, vou pontuar e vamos estrear a coluna TOP +, na qual sempre traremos listas de coisas interessantes sobre Países para se morar, coisas para se fazer e diversos outros assuntos.

Veja agora 10 Motivos para escolher a Austrália

Por Zeca Moreira e Mônica Plaza

Aprender inglês – Parece um motivo óbvio, mas… podemos afirmar: se você aprende o inglês aqui, pode ter certeza que saberá inglês em qualquer lugar do mundo. Primeiro porque você aprende um novo sotaque. Uma mistura de inglês britânico, com inglês do Sul do Texas, mais um inglês de sei lá de onde. Ao chegar aqui, é muito fácil pensar: “Nossa, eu não sei nada de inglês MESMO!”, “Dez anos de cursinhos de inglês jogados no lixo”. Mas a questão é que no Brasil nós aprendemos durante a vida toda o inglês norte-americano. E o sotaque por aqui é completamente diferente, matte!. Segundo porque você aprende a conviver milhares de sotaques, já que estamos em um país cheio de estrangeiros.

Quer ter uma ideia de como os australianos falam? Assista ao vídeo abaixo. É uma propaganda de divulgação turística do País de 1984, mas que continua super atual. Eles realmente falam assim e quero ver quem adivinha (e entende) qual a famosa gíria daqui aos 00:17:

Mas com o tempo você vai acostumando os ouvidos, vai aprendendo as gírias, aprende a dizer WOTAH ao invés de water e quando percebe está entendendo tudo quando assiste a um filme norte-americano ou seriado que nem Friends. Mas até começar a entender tudo, coisa hilárias podem acontecer.

Em certa ocasião me colocaram  de caixa (isso mesmo, colocaram um jornalista para ser o caixa – comunicadores costumam ser péssimos em matemática) num grande festival de música eletrônica. Ainda no começo do evento uma menina se dirige ao balcão e “diz”:

– I would like “one Malboro” (eu gostaria de um maço de Malboro)
– Sorry, but we don’t sell Malboro here – Disse eu prontamente.
A menina fez uma gigantesca cara de interrogação e retrucou:
– I SAID “ONE MALBORO”, disse enfezada.
– AND I SAID WE DON`T SELL MALBORO.

Eis que uma menina da Islandia interveio e segurando uma garrafa de água disse:
– She asked for WATER. Entregando em seguida a água para menina que saiu sem entender.

Bem, como eu confundi “ONE MALBORO” com BOTTLE OF WATER eu não sei, mas dá para ter uma ideia de como os sotaques podem aplicar pegadinhas.

Praias – Nascemos em Brasília, no Centro-Oeste do País. Praia só em feriados e férias. Não precisamos nem dizer o quão divertido foi passar nosso primeiro verão por aqui, né? A costa litorânea da Austrália é responsável por encantar os turistas, os habitantes e os estudantes que decidiram se aventurar por aqui. Nada como sair da aula e do trabalho e ir direto à praia respirar a brisa e mergulhar nas águas geladas (tudo é relativo) do Oceano Pacífico, além de sentar nos gramados para ler um bom livro ou jogar frisbee (ou tentar jogar frisbee).

Em Sydney, temos as famosas Bondi, Coogee e Maroubra Beach, dentre outras. Os surfistas se apaixonam por Gold Coast e, ainda há, as famosas mais lindas praias de Perth (do outro lado do País). Além doscenários dignos de revistas de viagem, a maioria conta com piscinas de água natural. Nadadores podem aproveitar os locais para treinar. Além disso, a Austrália tem a praia com a areia mais branca do mundo, em Jervis Bay. Mais pra frente, faremos uma matéria só sobre as praias de Sydney. Por enquanto, vocês podem conferir algumas fotos no nosso Instagram (@uptoyoubrasil).

uptoyoubrasil watson bay
Praia de Watson Bay

Noite – A Austrália tem uma vida noturna agitada. Nesse ponto destaca-se Melbourne e Sydney, as duas maiores cidades do País. Em Sydney, o destaque fica para Darling Harbour e sua queima de fogos semanais. Todo sábado você pode desfrutar do espetáculo pirotécnico enquanto toma uma cerveja comendo frutos do mar em algum dos muitos restaurantes que ladeiam a baía.

Se o esquema for balada, o bairro de Kings Cross é a pedida. Diversas boates e bares animam os notívagos da região. Mas fique atento. Sydney tem hábitos noturnos MUITO diferentes do Brasil. Uns bons e outros ruins.
• Ponto positivo – a entrada na balada costuma ser free ou no máximo 20 dólares.
• Pontos negativos – Nada de chegar 01 da madrugada no agito. Na verdade a essa hora a festa já se aproxima do fim. Pode se preparar para chegar por volta das 21 hs. Não beba muito no esquenta e não vá de Nike Shox. Bêbados e pessoas com vestimentas inadequadas são barradas sem direito a choro.

Qualidade de vida – A forma como os australianos levam a vida é de se tirar o chapéu em alguns quesitos. Hora extra? Só se for pago. Banco de horas? Isso não existe aqui. Pescoção? Piada. Também não existe (a não ser que seja pago). Me lembro a história de um amigo que já trabalha na sua área de formação profissional no Brasil. Na primeira semana de trabalho em escritório na Austrália – depois de um longo período entregando pizza e quebrando pedra – ficou no serviço até depois do expediente todos os dias. Na sexta-feira o chefe o chamou para conversar. Ele foi receoso e escutou um esporro. O motivo?

– Eduardo, você tem percebido que você é o último a sair todos os dias? Olhe ao seu redor. Ninguém fica aqui até mais tarde. Se não terminar no seu tempo, termine no outro dia. Que isso não se repita.

Depois disso Eduardo nunca mais saiu depois das 17h e aproveita os fins de tarde na praia, na academia ou no bar.

uptoyoubrasil qualidade de vida
Moradores de Sydney aproveitam a hora do almoço para ir à praia e nadar na piscina natural de Bondi Beach.

Trabalho – Com um índice de desemprego inferior a 5% o desemprego na Austrália é OPCIONAL. Isso mesmo. Até para nós, estudantes internacionais, o trabalho é algo relativamente simples (desde que você siga algumas dicas e corra atrás). Logo nos primeiros dias de aula um professor no curso de idiomas nos alertou para não darmos esmolas aos poucos mendigos que encontramos pela cidade a pedir dinheiro. Isso porque eles recebem do Estado um salário, moradia e todo auxílio necessário para arrumar um emprego. Mas como em sua maioria são alcoólatras ou dependentes químicos não se interessam muito pela terceira opção.

"Famoso" mendigo de Sydney
“Famoso” mendigo de Sydney

Clima – Não me refiro ao tempo. Me refiro ao clima amistoso da cidade. Para nós, brasileiros, chega a ser um choque social a forma respeitosa como as pessoas se tratam. Furar fila ou escutar funk no celular no meio do ônibus é algo inimaginável. Esbarrar nas pessoas é comum, mas mesmo que no meio do tumulto da cidade você sempre ouvira um pedido de desculpas em seguida. Todos se prontificam a ajudar uns aos outros e mais, confiam uns nos outros.

Prova disso são os guichês de auto-atendimento no mercado onde você passa suas compras e paga sem fiscalização de ninguém. Ou ônibus sem cobrador e trens com catracas que se abrem após você usar o tíquete sem qualquer controle de seguranças. Medidas que, infelizmente, só funcionam em países onde o nível de educação é alto (cerca de 99% das pessoas são alfabetizadas).

Clima 2 – Com um verão bem quente, passando muitas vezes do 40° C, a estação do ano mais desejada lembra muito a brasileira. As praias ficam cheias e o vento forte, muito forte, refresca o forte calor. Protetor solar é fundamental. Em cima da Austrália encontra-se o maior buraco da camada de ozônio do mundo. Por isso o índice de câncer de pele aqui é altíssimo e o governo subsidia empresas que produzem bloqueadores solares para facilitar o acesso à população.

Após o verão, o tempo muda rapidamente, em questão de uma semana. Os dias, que antes escureciam às 20 hs, agora acabam por volta das 18 hs. A temperatura também cai drasticamente, média de 20. No meio do ano, lá para maio, a temperatura fica abaixo de 20°C. Muitas vezes abaixo de 10°C. Aquele vento forte que no verão refrescava agora ganha força e te congela. Muitas vezes a sensação é negativa. Os gaúchos, que estão acostumados com o frio, dizem que aqui faz mais frio que por lá, na terra dos Pampas. E o pior, por mais tempo: cerca de dois meses nesse clima.

Segurança – Andar com o Iphone 6 na mão sem ter de ficar olhando para os lados? Totalmente normal por aqui. Uma vez, a Mônica estava fazendo um Facetime com os amigos do Brasil no centro de Sydney e um deles perguntou: “Ué, você tá andando com seu celular no meio dessa multidão? Ninguém fica te olhando não?”. “Nada. A Austrália é um dos países mais seguros do mundo”.

Além disso, mulher sair às 4h da manhã pra ir trabalhar sem ter preocupação nenhuma também é super normal. (Claro que bate aquele medinho e é sempre bom ficamos alertas, mas é muito raro escutarmos casos de estupros ou roubos em Sydney). Isso porque, a polícia aqui é bem rígida, principalmente com segurança à mulher.

Sabemos de história de um homem que passou a mão na bunda da mulher do “amigo”. Os dois entraram em conflito corporal e a polícia foi acionada. Ao saberem da história, os policiais ignoraram totalmente a questão da briga e focaram simplesmente no assédio à mulher. A mulher teve toda a assistência dos policiais, foi à delegacia prestar queixa e depois disso foi acertado que o homem não poderia mais entrar em contato com ela, ou ele poderia ter sérios problemas futuros.

País das Leis – O sinal de pedestres está vermelho e não vem nenhum carro. Você pode atravessar tranquilamente. Você vai ou não? Na Austrália, melhor você ficar quietinho esperando o sinal verde. Na correria e na pressa, você pode esbarrar com um policial escondido do outro lado só esperando para te aplicar uma multa. E não adianta dizer que está sem documento, ele pode até pedir pra que você abra o seu Facebook no celular para confirmar seu nome. Esse é só um exemplo de como as regras aqui precisam ser seguidas à risca.

Beber e dirigir? Nem pense em fazer isso. No caso dos estrangeiros, eles podem perder o direito de dirigir na Austrália, ir para corte e ser deportado ou preso. Chegar atrasado e faltar às aulas, por exemplo? Continue fazendo isso e já já seu nome será levado ao departamento de imigração e você perderá seu direito de renovar visto ou até ser deportado (estudantes internacionais precisam de uma frequencia mínima na escola).

uptpyoubrasil trem
Proibido ouvir funk no trem

Conhecer o novo – Vir pra este lado do mundo demanda tempo. Muito tempo. Ao menos 25 horas por trecho de voô. Então, o melhor é aproveitar a temporada desse lado do mundo para ir até lugares que nunca imaginou visitar. Com cerca de A$ 500 dólares você consegue comprar um pacote de alguns dias para Tailândia, Japão, Nova Zelândia, Vietnã ou mesmo para acampamento na base da maior montanha do mundo, o Monte Everest.

Estudantes aproveitam as férias escolares ou o intervalo entre um visto e outro para se jogarem no desconhecido da Ásia. Ainda não fizemos isso, mas ainda chegará nossa vez e iremos relatar tudo por aqui. Com dicas, fotos e muito mais.

Em breve iremos postar histórias aqui de brasileiros que acabaram por optar estudar inglês, espanhol ou outras línguas em outros países. Quem sabe isso não te ajuda na hora de decidir qual País mais parece com sua personalidade?

5 comentários em “Por que escolher a Austrália?

  1. Nunca pensei na Austrália, tenho lido bastante sobre imigração pro Canadá, vocês já estão aplicando algum tipo de visto de residência permanente? Ou o objetivo é apenas estudar e voltar ao Brasil??

    Bjs e sucesso!!!

    Curtir

    1. Olá, bloquinho de noiva. Não estamos nos planejando pra aplicar esses tipos de visto. Nosso visto de estudante foi renovado até dezembro de 2016 e só no meio do ano que vem vamos analisar como estará nosso inglês pra decidir nosso destino. 🙂 Antes de virmos pra cá, também lemos bastante sobre o Canadá, mas a questão do clima nos trouxe até aqui. Achamos que não conseguiríamos “sobreviver” ao frio, visto que somos de Brasília. Hehe Acredito que fizemos a escolha certa, porque o inverno daqui já é bem chatinho de se lidar… Mas aí vai de cada um, né? Agradecemos pelo contato e qualquer dúvida, estamos à disposição.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s